quarta-feira, 9 de outubro de 2013

Todos os presidenciáveis para 2014 são "socialistas" - a hegemonia do socialismo no campo simbólico


Todos os presidenciáveis filiados até o prazo legal, 5 de Outubro de 2013, são de partidos ditos socialistas ou socialdemocratas. Parece e é uma piada, pois todos sabemos que são todos capitalistas e alguns são anticomunistas mais ou menos confessos, mas é um fato real. Não é uma coincidência, existem outros exemplos de que os políticos brasileiros sentem cada vez mais que é mais fácil obter votos dessa forma. Trata-se de inusitada força do socialismo no campo simbólico, que não pode ser explicada por uma só variável.

O que gerou essa singularidade foi o impedimento do partido Rede Sustentabilidade no início de Outubro. Marina estava em segundo lugar nas pesquisas e em minha modesta opinião atrairia o eleitorado de toda a direita em um segundo turno. Seria o natural, a existência de outro campo ideológico no simbolismo partidário, de certa forma, nesse aspecto simbólico, mais fiel aos capitalistas que o PSDB, que apesar de não ter adotado a cor vermelha, nem nenhum símbolo socialista, se denomina Partido da Social Democracia Brasileira, e tenta emplacar que é socialdemocrata, conseguindo sempre arrancar gargalhadas dos mais astutos!

Porém, apesar desse fenômeno - só presidenciáveis "socialistas" por enquanto - só ter acontecido devido à impugnação do partido da Marina, ele continua sendo sintoma da força do socialismo no campo simbólico, ou seja, também do socialismo como ideal impreciso, dado que existem outros sintomas que o corraboram. O mais interessante são as mudanças de nomes de partidos de direita, a começar pelo partido governista durante a ditadura. Era Arena, Aliança Renovadora Nacional, um nome já otimista, e no finalzinho virou PDS, Partido Democrata Social, primeira piada. Seu racha que em 1985 pulou para a chapa de Tancredo denominou-se Partido da Frente Liberal, o que do ponto de vista da ideologia política econômica não deixava de ser verdade. Quando precisou mudar de nome novamente, certamente por estar muito desmoralizado, virou Democrata, uma piada para quem se lembrava da ditadura, e uma primeira tentativa de se desvencilhar do termo "partido". O racha desse partido dito democrata que resolveu passar para a base aliada do governo petista adotou o nome de PSD, tentando disputar com o PSDB e mais um monte de adeptos brasileiros da Segunda Internacional (no mar do Norte uma vaga se lenvanta em protesto, é Engels!), o sibolismo socialdemocrata e seus votos.

Esses novos socialdemocratas não são crianças, não fazem isso por "achismo", nem porque tenham caminhado para a esquerda. Eles são especialistas em buscar votos, e o fazem com base em pesquisas. Uma pesquisa feita ainda pelo PFL, ou seja, antes da Internet ser uma força, revelou aos caciques desse partido, e depois vazou naturalmente, que a maioria absoluta da população gostaria que o país fosse socialista, mas em compensação só uma minoria acreditava nessa possibilidade.

O crescimento do PSB, que seria Socialista, recebendo políticos capitalistas aos montes, é outro sinal claro do mesmo fenômeno. Com a adesão de Marina Silva ao PSB, é provável que seja esse partido, com Marina ou com Eduardo Campos, quem dispute a presidência com o PT. Teremos, portanto, bandeiras vermelhas de um lado e de outro, e em terceiro lugar os "socialdemocratas", todos eles sendo vaiados e em pouco tempo apedrejados nas ruas pelos verdadeiros socialistas. Verdadeiros do ponto de vista da vontade, pois como se nota, esse socialismo dos eleitores é vago, impreciso, desinformado, uma mistureba de propostas desconexas.

Os comunistas independentes do governo (consideremos que ainda existem comunistas no rabo do PT) obviamente terão seus candidatos, mas devem tentar uma aliança mais ampla, e o único partido que faz oposição à esquerda ao governo federal e tem parlamentares é o PSOL, Socialismo e Liberdade... Em resumo, continuaremos só com "socialistas"!

Se esse fenômeno fosse posterior à difusão da Internet, seria natural concluír ser mais um de seus frutos, porém como é anterior me parece resultado de uma prolongada propaganda militante, opondo-se à mídia de massas que faz pregação diária contra o socialismo, usando as mais infames e idiotas mentiras. Trata-se portanto de uma difusa conciência de classe.

Como consequência prática para as eleições de 2014 o campo simbólico está neutralizado! Todos são "socialistas", então falar em geral de socialismo tornou-se mais inútil do que já era. As propostas podem ganhar mais vizibilidade, pois se tornam mais necessárias como forma de diferenciação entre os candidatos. Na prática ficou muito melhor do que se a disputa fosse entre PT e Rede, pois nesse caso essas duas candidaturas, ambas capitalistas, se disfarçariam atrás do simbolismo socialista e ambientalista, respectivamente, e propostas de verdade ficariam em segundo plano.

3 comentários:

Pousada Hostel Paulínia disse...

Nao voce esqueceu de ADILSON BARROSO!! PEN 51, esse e FERA.
Ass.
BEPE PANTERA- Paulinia S.P.

Pousada Hostel Paulínia disse...

Voce esqueceu de ADILSON BARROSO - PEN 51 - esse e FERA.
Ass.
BEPE PANTERA - PAulinia S.P.

Forno Harmônico Forno disse...

Proposta concreta é: "vamos aplicar GNU/Linux em todos os computadores públicos e distribuir para instalarem nos computadores privados".