quarta-feira, 9 de abril de 2014

EUA e UE querem guerra econômica mundial, Putin quer guerra de verdade e a China quer paz



Milhares de analistas políticos em todo o mundo concordam em considerar que os últimos meses revelaram um novo jogo de forças mundial, mais especificamente desde Julho de 2013 quando a Rússia impediu as potências ocidentais de bombardearem a Síria, confirmando-se agora com a reanexação da Criméia à Rússia. O que esses analistas não querem ver é que esses episódios não são isolados, mas sim o choque de interesses entre os maiores poderes mundiais, e que esses choques não resolveram nada, ou seja, não terminaram. A acomodação de interesses entre potências capitalistas nunca é fácil e indolor. Acrescente-se que há vários anos o mundo vive mergulhado em uma superprodução crônica, da qual a China é só um fator, embora de muito peso.