sábado, 13 de outubro de 2012

Turquia anuncia que atacará Síria - Vai começar uma grande guerra na Ásia

mapa de asia


O governo turco, que já está trocando tiros com os sírios, anunciou que atacará a Síria caso seu território volte a ser violado. Para quem conhece o referido território isso significa a guerra. Em grande parte da fronteira entre Turquia, Síria e Iraque vive o povo curdo, lutando pela independência nacional. Com a guerra no Iraque os curdos se armaram e o enfraquecimento do governo sírio levou Damasco a passar de inimigo a aliado dos curdos. Agora, só a Turquia é um inimigo decidido dos curdos. Os curdos, portanto, estão enfrentando os turcos com ações de guerrilha, e como a Turquia tem apoiado os rebeldes sírios, a Síria apoia os rebeldes curdos. Em outras palavras, a fronteira turca já era! Da grande guerra que está prestes a estourar na Ásia deve surgir um Curdistão, a não ser que os curdos sejam massacrados.

O envolvimento da Turquia obrigará o Irã e talvez a Rússia a um envolvimento maior no conflito. O Irã não terá escolha, mesmo porque Israel aproveitará a entrada da Turquia na guerra para atacar o Irã. Mas mesmo que surgisse em Israel um pouco de cautela, o Irã não poderia deixar a Síria cair sem lutar. Trata-se de um aliado que o Irã não pode perder.

Assim como o Irã não pode perder a aliança da Síria, a Rússia e a China não podem perder o Irã e a Síria, tanto pelos recursos, quanto pelas posições estratégicas, quanto pelo isolamento em que cairiam. Desse ponto de vista o envolvimento turco é temerário. Os russos sempre desejaram dominar Constantinopla, e uma guerra seria uma boa desculpa para fixar uma base militar no estreito de Darnanelos.

O ânimo com o qual os turcos e israelenses pedem a guerra faz crer que estão em grande vantagem, contando com seus aliados da OTAN. Porém, para manter as guerras em que já está envolvido os EUA precisa contratar cada dia mais mercenários, pois já não consegue recrutar o suficiente em seu país, e para atacar a Líbia, bem debaixo dos narizes das frotas da OTAN, foram necessários soldados europeus e mercenários.

A situação da Europa é pior. Para derrotar a Europa a Rússia só precisa cortar a remessas de gás natural, o que deixaria os europeus morrendo de frio e sem energia para muita coisa, comprometendo qualquer esforço de guerra. Ao mesmo tempo, os europeus ficariam sem petróleo vindo dos países árabes, pois cortar essas remessas é relativamente simples, fechando o golfo pérsico ou o canal de Suez, o que pode ser feito com bombardeios.

De fato, a única possibilidade de derrota dos asiáticos, é se eles se deixarem pegar um por um. Se fizerem uma aliança defensiva ampla, protegendo os países menores, os invasores serão expulsos e seus aliados destronados.

Um comentário:

Samuel Ritter disse...

E a guerra da Coréia do Norte, sai ou não?